Tiago Ferreira (POR) mantém hegemonia na segunda etapa e lidera a Brasil Ride com Hans Becking (NED)

Tiago e Hans abriram vantagem até a vitória (Fabio Piva / Brasil Ride)

O português Tiago Ferreira, ao lado de seu companheiro de equipe DMT Racing Team, o holandês Hans Becking, confirmou nesta segunda-feira (22) o favoritismo da segunda etapa da Brasil Ride. Após vencer nos dois anos anteriores na prova entre Arraial d’Ajuda, em Porto Seguro, e Guaratinga, ao lado do belga Roel Paulissen (2016) e do português José Dias (2017), respectivamente, Ferreira conseguiu o terceiro triunfo consecutivo desde que a ultramaratona mudou-se para o extremo Sul da Bahia. A vitória veio em 4h39min59seg, 3min19 à frente do brasileiro Henrique Avancini e o alemão Manuel Fumic, da Cannondale Factory Racing, o que garantiu a Ferreira e Becking a liderança da competição com 1min13 à frente de Avancini e Fumic.

Avancini e Fumic, segundo colocados novamente (Fabio Piva / Brasil Ride)

Com 131 km de extensão, a segunda etapa teve seis duplas na liderança entre os km 20 e 95. Além Ferreira/Becking e Avancini/Fumic, que atacaram os rivais na proximidade do km 100, estiveram no pelotão dianteiro as duplas Hugo Prado Neto (BRA) e Roel Paulissen, OCE/Cannondale, terceiro colocados do dia, Alexey Medvedev (RUS) e Francesco Failli (ITA), Specialized Itália, Lukas Kaufmann (BRA) e Sherman Trezza (BRA), Cannondale Brasil Racing, e Sebastian Fini (DIN) e Martins Blums (LAT), CST Sandd American Eagle MTB Racing Team, entre a quarta e a sexta colocações, as quatro duplas terminando com diferença menor do que um minuto.

A Brasil Ride na verdade começou nesta segunda-feira. Ganhar essa etapa é importante, e ainda abrimos vantagem para os principais candidatos, o que foi melhor ainda. Feliz demais por ter ganhado três vezes a segunda etapa nas últimas três temporadas, sempre com parceiros diferentes“, comemorou Tiago Ferreira. “O Hans e eu trabalhamos muito bem juntos e nos entendemos, além de termos uma maneira de competir semelhante. Assim, sabemos que estamos em condições de disputar o título da ultramaratona“, completou Ferreira, campeão da prova em 2012.

Foi um dia em que o pelotão andou muito tempo junto. No começo da prova tínhamos muito barro pelo caminho e eu não me sentia tão bem. Para ser sincero, não foi uma etapa boa para mim, minhas pernas não estavam boas. O Tiago foi o motor da nossa equipe e eu apenas o segui. Geralmente o primeiro dia longo nas ultramaratonas são ruins para mim e ganhar foi algo realmente bom e significativo para o resto da semana. Porém, foram apenas dois dias. Tem muita competição pela frente“, avaliou o holandês, bicampeão da Brasil Ride (2014/2015).

Assim como o prólogo, a segunda etapa foi marcada por muita lama na saída de Porto Seguro e chuva na região da Guaratinga. Atual campeão da Brasil Ride, o brasileiro Henrique Avancini fez sua avaliação da disputa nesta temporada. “A etapa foi mais pesada do que eu esperava pelas condições climáticas. As primeiras duas horas e meia o terreno estava bem pesado e molhado. Fizemos a seleção nas trilhas técnicas do Avatar e depois disso o pelotão não se reagrupou novamente e ficaram as seis duplas que viriam terminar na frente“, contou Avancini. “Por volta do km 90, senti que Tiago e Hans fariam um ataque e Fumic e eu respondemos. Na sequência, em uma subida que não era tão dura perdemos o contato e eles foram abrindo aos poucos. Enfim, etapa era boa para o Tiago. perdemos tempo, mas continuamos em situação de brigar pelo título, embora não seja confortável“, concluiu Avancini.

Elite feminina – Na disputa entre as mulheres, o triunfo novamente foi da dupla formada entre a atual campeã brasileira Jaqueline Mourão e a canadense Cindy Montambault, Jacky & Cindy. Porém, desta vez, a diferença para a segunda colocação foi pequena. Apenas 11 segundos para as donas da camisa de melhor equipe das Américas, Viviane Favery e Marcella Toldi, da Cannondale Brasil Women, que completaram em 6h11min41seg. O top 3 do dia teve ainda as espanholas Sandra Santaynes e Anna Ramirez.

Jaqueline e Cindy, mais uma vitória (Fabio Piva / Brasil Ride)

O dia foi de muita chance e também muito trânsito durante as trilhas do single track do Avatar. Em determinado momento as meninas da Cannondale Brasil Racing chegaram em nós e acordamos. Deu para ver que a prova será bem disputada daqui para frente“, avaliou Jaqueline. “Me sinto exausta. Iniciamos muito forte e depois decaímos. Trabalhamos forte como equipe e o vento era forte no final, o que nos fez gastar energia demais. Alternamos a posição entre nós duas, para recuperar, mas foi difícil demais. Lama demais no começo e chuva no final“, contou Cindy.

Se na disputa pela geral da elite feminina a diferença é de apenas 3min02seg entre Mourão/Montambaul e Favery/Toldi, nas Américas a dupla brasileira tem mais folga, com mais de 40 minutos para a dupla quarta colocada no geral, Paula Gallan e Franciele de Almeida. “Neste momento a Camisa Verde, de melhor das Américas, é mais real para nós, porque a Camisa Laranja tem duas rainhas com elas, com perfil de atleta de nível mundial. Você ataca elas, mas elas respondem em alto nível e seguram até o fim, sem entregar. Vai ser uma disputa legal, porém temos o pé no chão“, disse Marcella Toldi.

Marcela e Vivi chegaram em segundo (Fabio Piva / Brasil Ride)

A etapa foi sensacional, um dia para não esquecer. Demos tudo que tínhamos, porém sem exceder limites. No começo as trilhas me favoreciam, por conta do meu estilo de cross country. Depois nos estradões a Marcella botou um ritmo surreal, quando estávamos só nós duas. Administramos, mas quando vimos estávamos juntas da Jacky e Cindy. Chegamos a ultrapassá-las, mas elas têm muita experiência e recuperaram“, destacou Viviane Favery.