Rally dos Sertões: Túlio Malta fala da expectativa a bordo da sua KLX 450R

Aos 29 anos, o mineiro Túlio Malta, piloto integrante da O2BH Kawasaki América Racing , se prepara para mais um Rally dos Sertões. Campeão Brasileiro nos últimos dois anos na categoria Brasil, o piloto migrou este ano para o alto escalão da modalidade. Túlio, campeão das três provas disputadas até agora na categoria Marathon, permanece na liderança do Brasileiro, pretendendo a bordo da sua Kawasaki KLX 450R, buscar o titulo nacional e brigar por uma ótima posição na classificação geral do evento.

A 26ª edição do maior rali do país e um dos maiores do mundo começa no dia 18 de agosto em Goiânia e percorrerá mais de 3.600 quilômetros, passando por quatro estados – Goiás, Bahia, Piauí e Ceará -, para ver a bandeira quadriculada em Fortaleza, no dia 25. 

“Este rali está entre os três melhores que já fizemos, entre todas as edições do Sertões”, aponta Du Sachs, diretor técnico da prova e responsável pelo levantamento do roteiro. “Todos os dias os pilotos e navegadores encontrarão uma dificuldade diferente e específica, então não vai ter dia de moleza”, afirma. 

Nessa entrevista sobre a principal competição Off Road do Brasil, o piloto fala sobre as ultimas participações no Rally Sertões, dos adversários, preparação, equipe, etc. 

SR:Neste ano, o Rally do Sertões terá etapas longas e um percurso desafiadorO que nos diz sobre o trajeto?
TM: Particularmente, gosto de percursos longos e se o “coro engrossa” é que me divirto mais. O Rally nos prega peças durante todos os dias de competição. Este ano terminaremos a prova no Nordeste, aonde a variação de terreno é bem diferente do que iremos ter contato no inicio da competição. Gostei do trajeto escolhido, principalmente por ter uma boa intimidade com terrenos arenosos e com bastante pedras. 

SR:Como esta sendo a adaptação na nova categoria e motocicleta
TM: Me adaptei super bem! Iniciamos a temporada com o pé direito e estamos com saldo positivo até agora. A mudança inicialmente era radical, sair de uma moto de cilindrada inferior para a Kawasaki KLX 450R. Fizemos uma moto perfeita, do jeito que realmente queria.  Estou bem adaptado e seguro a cada prova. A motocicleta esta surpreendo a cada dai e isto me deixa confortável. Amor a primeira vista! Rsrs (risos) 

SR: Ser o atual líder do campeonato Brasileiro de Rally Cross Country e aumenta a responsabilidade para a edição da prova de 2018?
TM: Meu objetivo é fazer uma prova sem erros. A pressão faz com que perdemos um pouco o foco e o rally não permite isto. Quero fazer uma prova perfeita, sem erros consistente e chegar em Fortaleza inteiro.

SR:Quais as dificuldades do Rally do Sertões? O que você destaca da experiência de 2016 e 2017?
TM: O Rally é uma maratona física e além de tudo psíquica. O que mais favorece de um ano para o outro, é a experiência adquirida. Tenho certeza que os ultimo anos me fizeram um piloto mais maduro. Colocarei em pratica. 

 SR:Conte sobre a modalidade, o que te motivou a migrar para o Rally Cross Country?
TM: Minha escola é o enduro de regularidade, no qual sou apaixonado. Eu e meu pai sempre tivemos o sonho de participar do Rally dos Sertões, e foi por ai o inicio de tudo. Abri mão do ano para poder realizar o sonho. Disseram-me que o mosquito do Sertões pica uma vez só. E não deu outra! Apaixonei pela modalidade e pretendo ficar por muito tempo. 

SR: Conte um pouco sobre a parceria com o grupo O2BH?
TM: O grupo junto aos seus gestores, Guto Constantino e Luiz Felipe, é um grande incentivador do off-road no Brasil. O Rally até então era algo novo. Firmamos uma parceria bem aferida e com perspectivas de saldo positivo. Estamos concretizando junto aos nossos parceiros, tudo aquilo que almejamos no inicio do ano. Estou em um ambiente com os maiores pilotos do Enduro e Enduro de regularidade do nosso país, assim, a troca de experiências e suporte é algo sempre muito positivo. 

SR:Como você se preparou para o Rally dos Sertões 2018?
TM: Com a mudança de categoria e motocicleta, tive que mudar totalmente minha rotina de treinos e preparação. Precisei aumentar peso, ganhar mais resistência e mudar hábitos do meu dia a dia. Junto ao meu nutricionista Francisco Miranda (Chicão) e preparadora física Erica Ávila, conseguimos o resultado que esperávamos para esta edição. Os treinos mudaram muito. Distancia e nível de dificuldade foram dois fatores que tivemos que alterar para uma ganho considerável de resistência. 

SR: Quem você considera seus principais adversários?
TM: Temos ótimos pilotos participando desta edição. O troféu na rampa de chegada é almejado por todos. Meus adversários estão querendo como eu, o lugar mais alto do pódio. Respeito todos e tenho certeza que a disputa será de ponta a ponta.  

 

SR: Além da categoria, você tem obtido significativos resultados na classificação geral. Seria este o objetivo?
TM: Faço a prova para poder me consagrar campeão na categoria. Estar entre os primeiros na gera e conjunto de trabalho bem feito, estratégia de equipe e dedicação. Fico feliz com o resultado na geral, mas reforço que o objetivo é a categoria.