Ludmila e Helber contam como foi o Brasil Ride 2017

A dupla de ciclistas sul Mineiros, Ludmila e Helber que por sinal são casados e vivem toda aventura do MTB juntos diariamente, se prepararam para enfrentar a Brasil Ride desse ano em dupla e o desafio foi concluído com sucesso por ambos e no relato abaixo contam em detalhes como foi participar da maior ultra maratona do país!

”Depois de 7 longas e duras etapas, concluímos a Brasil Ride!!! Finisher!!! Fechamos em 9° na categoria e em top 5 das duplas mistas brasileiras. Ficamos satisfeitos com o resultado. Foi um ano de muito treino, abdicação, dieta e disciplina para aguentar o grande desafio que é pedalar quase 700km com 13.000 mts. acumulados de altimetria, na maior ultra maratona das Américas.

A imagem pode conter: 4 pessoas, pessoas sorrindo, bicicleta e atividades ao ar livre

Breve relato sobre a prova:

1ª Etapa – Prólogo: um contrarrelógio de 21km, ocorrido em Arraial D’ Ajuda. Uma prévia do que iríamos enfrentar nas 6 etapas seguintes. Valas, singles, curvas fechas, raízes, buracos, subidas e descidas íngremes, pontes, etc. Não arriscarmos nos trechos mais perigosos, pois ainda tínhamos 6 etapas para frente.

2ª Etapa: 138 km com 2.199m de altimetria, onde saímos de Arraial D’ Ajuda e nos deslocamos para o acampamento em Guaratinga. Havia bastante single track e pedalávamos muito tempo em estradas com falsos planos com bastante buracos e valas, seguidas de subidas íngremes. Conseguimos encaixar em um pelotão que nos manteve com uma boa velocidade durante todo o percurso.

A imagem pode conter: 1 pessoa, atividades ao ar livre e natureza

3ª Etapa: 74km com 2.559m de altimetria, ocorrida em Guaratinga: A partir dessa etapa, acordava todos os dias com muita dor no abdômen e sentia muita ânsia. Mal conseguia tomar o café da manhã. Foi uma etapa com bastante single track, muitas subidas e descidas íngremes. Descidas escorregadias, bike nas costas para atravessar brejos, travessia nas plantações de cacau e na mata atlântica. Aqui nós já começávamos a sentir o cansaço, minhas mãos começaram a sair bolhas e as nossas virilhas já estavam com feridas.

4ª Etapa: 90Km com 2.712m de altimetria, ocorrida em Guaratinga, aqui a chamada “Etapa Rainha”: No primeiro empurra bike perdemos alguns minutos, pois tive uma crise de asma no meio da serra. O Helber tentava me acalmar e me ajudar a empurrar a bike, mas era um momento que eu estava sem lugar, foi horrível. Percebi então, o quanto estava psicologicamente esgotada, fui me acalmando e me controlando para não pôr tudo a perder. Logo começaram alguns trechos de downhill, o que me ajudou a distrair e recuperar para encarar a subida mais íngreme da etapa, a famosa “7 curvas”, que se resume a 40 minutos de empurra bike. O Helber subia pedalando um pouquinho deixava a bike dele mais pra cima, descia para pegar a minha bike. Quando não deu mais para ele pedalar, ele empurrou as 2 bikes. A descida foi com uma chuvinha deliciosa, nos refrescou e sujou as bikes de lama.

A imagem pode conter: uma ou mais pessoas, pessoas andando de bicicleta e atividades ao ar livre

5ª Etapa: 130km com 1974m de altimetria: Saída de Guaratinga, voltando para Arraial D’Ajuda. Muitas subidas no início do percurso, nossos corpos já estavam cansados e lentos e o Helber ainda tinha forças para me ajudar nas subidas. Nos 30km restantes entramos no Parque Nacional Pau Brasil, grudei na roda do Helber e tentamos ganhar mais velocidade, porém, o cansaço, a lama e os inúmeros buracos só me faziam distanciar da sua roda, eu pedia para ele reduzir a velocidade, mas a voz não saia, foram 23 Km sofridos dentro desse parque. Para melhorar os últimos 5Km foram pedalados em um areal. Essa etapa parecia não ter fim. Chegamos esbodegados.

6ª Etapa: XCO: Essa era a única etapa em que as duplas poderiam se separar. Para mim, foi mais uma etapa sofrida de 1h30m, o sol estava ligado no máximo, o percurso tinha muitas subidas íngremes e trechos com areal. Minha corrente já saiu na primeira volta. Nossa batalha era garantir a terceira volta para reduzir a penalização. E conseguimos!

7ª e última Etapa: 74Km com 1041m de altimetria: Muito single track com lama, raízes, tocos, curvas fechadas, descidas e subidas loucas. Não fomos muito rápidos, mas conseguimos manter um giro constante.

A chegada foi muito emocionante. As pessoas gritavam e eu gritava junto. O Helber ficou anestesiado, parecia não acreditar que havia conseguido!

Obrigada Helber por me ajudar a concluir uma prova tão dura e por me dar a oportunidade de ficar na frente com algumas meninas da elite!

A imagem pode conter: 1 pessoa, atividades ao ar livre

Sonho que se sonha junto, vira realidade! Sem vocês não conseguiríamos chegar onde chegamos. Portanto, agradecemos imensamente nossos apoiadores/patrocinadores oficiais e também todas as pessoas que puderam colaborar para que conseguíssemos realizar esse sonho, seja com descontos de suplementos, empréstimos de ferramentas e peças para as bikes, seja com o apoio moral e psicológico, seja com abraços e puxões de orelhas.
Gratidão a minha mãe e ao Cláudio por terem segurado a barra no escritório no período da prova.

Gratidão eterna a todos que nos enviaram mensagens de motivação, podem não acreditar, mas suas mensagens nos ajudaram e muuuuito a vencer esses 7 dias insanos!

Ano que vem tem mais e esperamos contar com todos vocês!!!

Treinadores:
@chicaotri
@enoque.ruela

Nutricionista:
@cynthia_totti_maia

Patrocinadores/apoiadores :
#academiatotalfitnessvarginha
#dermahvarginha
#fazendadostachos
#OsteopatiaArticulare
#ShowRadical
#astrodasraçoes
#lavadoravarginha
#pontodoaçai
#shapeesportes

Related posts

Loading Facebook Comments ...
Top